Sobre a relação entre metodologia ágil e morar fora do país

Recentemente, me vi diante de um processo de mudar de país. Quando esta idéia começou a se tornar possível, me vi, da noite para o dia com uma infinidade de coisas para resolver, num tempo muito curto e coisas que não tinha a menor idéia de como resolver. Como lidar com a saudade, pedir demissão do emprego, decidir o que eu vou fazer com o cachorro, decidir o que levar, desmontar a casa, passar procuração, resolver visto, fazer um planejamento financeiro, reservar vôo, tirar carteira de motorista internacional, ver onde ficar temporariamente até alugar uma casa, alugar uma casa em outro país, vender o carro, cancelar contas de prestadores de serviços (água, luz, internet, TV), fazer despedidas para os amigos e família e sai lá quantas outras coisas.

É muito difícil descrever como é essa sensação. Parece que você caiu de pára-quedas no meio de uma guerra.

Se nesse momento, eu tentasse resolver de uma vez só todos os problemas, provavelmente desistiria de tudo. Seria muito mais cômodo deixar tudo como estava. Mudar era um processo cheio de incertezas, riscos e custos.

Como um bom geek, resolvi atacar esses problemas como um projeto. Fui no visualstudio.com, montei meu projeto e comecei a organizar um backlog. Primeiro as estórias (cada uma das coisas que relacionei acima, tratei como uma história pois tinham objetivos e entregáveis bem definidos) depois a prioridade. O que é mais importante e o que tem maior risco primeiro. Depois quebrei o backlog em tarefas, numa idéia de entender o que precisava fazer para atingir aquele objetivo.

Mesmo nos casos onde não tinha a menor idéia de como resolver, como: tirar carteira de motorista internacional, lançava as atividades possíveis como “entender o processo de tirar carteira de motorista internacional”. Coisas como “tirar o visto”, lançava os formulários que tinha que preencher, os documentos que tinha que providenciar, as perguntas que tinha que fazer e as incertezas que tinha que eliminar.

Quebrei a complexidade das coisas definindo sprints. Criei uma primeira sprint com as coisas prioritárias para tornavam o processo viáveis. Nessa sprint entraram: visto, cachorro, pedir demissão e vender carro.

Depois fechei uma segunda sprint com as coisas que precisava viabilizar no processo da mudança. Casa, despedidas, onde ficar temporariamente, vôo.

Por último, deixei as coisas que só poderia resolver quando chegasse no outro país como: carro (se ia querer ou não) e alugar casa

O que é interessante é que a partir do momento que você comecei a definir objetivos menores para atingir um objetivo maior, definir atividades concretas e priorizar, a confusão mental decorrente de toda a incerteza existente no processo começou a ser eliminada. Toda a energia que era gasta com ansiedade e dúvida, passou a ser gasta em resolver de fato os problemas. O simples exercício de tomar notas, tirar as coisas da cabeça e torná-las tangíveis num backlog, abriu o espaço necessário para encontrar soluções.

O processo de quebrar em sprints me ajudava a manter o foco. De nada adiantava eu investir esforço no que estava na 2a ou 3a sprint sem resolver os problemas da primeiro. Isso me ajudava a lidar com a procrastinação. Aquelas coisas importantes, porém chatas de resolver, ficavam evidentes.

Isso foi determinante para viabilizar o objetivo de mudar para o exterior. A medida que eu atacava os problemas conforme a prioridade definida e encontrava as próximas atividades para as coisas que não sabia de antemão, mais aprendia sobre o processo e mantinha o controle dos próximos passos. Isso foi gerando um círculo virtuoso.

Em alguns meses, pouco a pouco, todos os obstáculos foram removidos. Quando menos percebi, estava dentro do avião pronto para recomeçar do outro lado do oceano. Meus agradecimentos ao mindset ágil por essa conquista.

E qual a relação de mudar para fora do país com metodologias ágeis no contexto de desenvolvimento de software?

Todo projeto de fazer um novo software é cheio de incertezas. Você precisa entregar algo que não sabe o que é, que provavelmente nunca foi feito antes, com tecnologias que você não conhece direito e com pessoas que nunca trabalhou antes. O primeiro passo é reconhecer claramente tudo isso. Saber o que fazer é provavelmente cerca de 50% do processo.

Quando você encara isso de uma maneira direta, sincera e honesta, move seu cérebro no sentido da solução. Sua cabeça foca em qual é a melhor alternativa que tem em mãos para atacar cada um desses objetivos. Se você simplesmente tentar prever todas as variáveis possíveis até o final do projeto, vai gastar muito mais energia que possui e provavelmente jogar a toalha no meio do caminho. Vai gastar tanto tempo tentando montar um plano infalível que vai acabar não executando nada deste plano por falta de tempo.

Vai ficar o tempo inteiro tentando fazer a realidade se encaixar no seu plano e não planejar de acordo com a as possibilidades existentes.

No final das contas, acho que é isso que as metodologias ágeis me ensinaram: como lidar com incertezas com naturalidade.

Anúncios

Um comentário em “Sobre a relação entre metodologia ágil e morar fora do país

  1. Pingback: As despedidas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s